OASRN



 

24 de Outubro
Avenida dos Aliados



Ao final do século XIX, concretamente após a década de 1890, a importância da cidade do Porto como centro financeiro afirma-se pelo crescente número de sociedades bancárias e companhias de seguros, cujas sedes tendiam a fixar-se, preferencialmente, na área central. A extensa área ao redor da Praça de D. Pedro consolida-se, nesse período, como o centro da vida urbana devido a dois factos relevantes: - por um lado, à progressiva transferência da actividade financeira e bancária que se deslocou desde a baixa ribeirinha; e, por outro, pela instalação de grandes armazéns, casas comerciais de artigos de luxo, grandes cafés com salão de jogos, hóteis e pensões, além de muitos dos principais escritórios de advocacia e outros serviços que beneficiaram da confluência, nessa zona, dos transportes urbanos articulados com os transportes ferroviários nacionais, facilitados pela inauguração da estação central de S. Bento (1909). Estes acontecimentos conferem ao novo centro excepcionais valores de situação que conduzem às primeiras medidas de renovação monumental do centro, através de um programa de grandes avenidas que procuravam facilitar as ligações à Ponte Luís I e à Avenida e Rotunda da Boavista. Só com a implantação da República (1910) se criam condições políticas e económicas para materialização do projecto renovação da área central.

A primeira Vereação republicana eleita em sufrágio universal (1914), após a implantação do novo regime, promove, então, uma operação de grande prestigio que dá prioridade à afirmação do carácter representativo das funções ligadas à Administração Local, o que implicaria uma profunda transformação da Praça Dom Pedro, a abertura da Avenida dos Aliados e a edificação dos novos Paços do Concelho, obras cujo plano foi encomendado ao arquitecto britânico Barry Parker, em 1915.

As intenções são muito claras e foram enunciadas na formulação geral do plano encomendado a Parker: “…abrir e ampliar uma parte da cidade que está muito congestionada, abrir uma ampla avenida que deverá ser, sobretudo muito dignificante, rasgar o centro da cidade e criar um verdadeiro centro cívico e um centro de estabelecimentos”.

Parker baseou a sua proposta na reestruturação de todos os acessos à área central, entre o tabuleiro superior da ponte Luís I e o eixo de saída para norte, que se inicia no conjunto da Trindade; ao mesmo tempo elaborou e desenvolveu, em pormenor, projectos de desenho urbano para toda a área entre a zona da Sé e a Praça do Marquês de Pombal, bem como os projectos arquitectónicos para toda a edificação que marginava a Avenida dos Aliados, incluindo o seu principal ponto de referência urbano e funcional que era os novos Paços do Concelho.

A execução do Plano dá prioridade ao eixo da Avenida e restringe a acção municipal ao espaço urbano, deixando aos agentes privados a liberdade – condicionada às regras do Prémio de Arquitectura Municipal “Cidade do Porto”, entretanto criado especial e exclusivamente para a zona dos Aliados – de propôr outras arquitecturas projectadas por outros arquitectos recém chegados de Paris, onde haviam concluido a sua complementar formação e que estavam a ser responsáveis pela introdução de novas imagens urbanas.

Deste modo, a imagem neoclássica proposta por Barry Parker, que se inspirava na arquitectura urbana dominante no Porto até ao século XIX, acaba sendo substituída pelo modelo Beaux-Arts que, por sua vez, domina grande parte dos edifícios do novo Centro Cívico do Porto, incluindo os Paços do Concelho projectado pelo vencedor do concurso especificamente aberto, o arquitecto municipal Correia da Silva, e que respeita a implantação prevista por Parker afirmando a sua monumentalidade como o edifício mais emblemático do novo Centro.

Rui Tavares

Para mais informações sobre este tema poderá também consultar os artigos publicados em www.apha.pt/boletim/boletim e http://wikisym.org

Biografia:
Rui Tavares (Aveiro, 1957). Historiador (Flup, 1980). Professor de História da Arquitectura e da Cidade na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (F.A.U.P.). Centra a sua investigação na história do desenvolvimento urbano e territorial dos séculos XIX e XX, aos níveis da gestão urbanística e da configuração urbana e arquitectónica, mais concretamente no período republicano.

Desenvolve uma investigação sobre o impacto urbano dos caminhos de ferro em Portugal, articulada e integrada nos estudos para Doutoramento intitulados “Recentrocidade . Memória e Refundação Urbana . Cidade e Políticas Urbanas na 1ª República – Porto”.

Publica e participa regularmente em revistas e congressos da especialidade.

Participou e dirigiu diversos estudos arqueológicos integrados em projectos de reabilitação do património arquitectónico bem como trabalhos de planeamento urbanístico, como consultor para as áreas de história e património, com destaque para Guimarães, Porto, Barcelos, S. Pedro do Sul, Aveiro, Nova Aldeia da Luz e Porto/2001.

Integrou os estudos iniciais do processo de candidatura do Porto a Património Mundial, como co-autor de “Bases para a compreensão do desenvolvimento urbanístico do Porto”(1987-1993).

Integrou a equipa de estudos sobre a Viabilidade de Candidatura do Centro Histórico de Gaia a Património Mundial para a F.A.H. Entre as principais publicações - “Da Avenida da Cidade ao Plano para a Zona Central: a intervenção de Barry Parker no Porto”(Porto-CMP,1985-1986). - “Oporto”. Atlas Historico de las Ciudades Europeas (Barcelona-CCCB, 1994). - “Alfândega Nova – o Sítio e o Signo” (Porto-MTC,1995) - “Aveiro – Entre ria e mar”,(Lisboa-Expresso, 1996). - “Oporto, History and Urban Development” (Londres-The Dictionary of Art, 1996). - “Porto 2001 : Regresso à Baixa” (Porto, 2001). -“Urban Recentering. Memory and Urban Refoundation. The Oporto Replanning of Central Area by Barry Parker (1916)” (Barcelona - Conference book-11th Conference of the International Planning History Society - IPHS 2004) - RECENTROCIDADE, Memória e Refundação Urbana. O Centro Histórico do Porto. ‘Plano do Centro Cívico do Porto (1916)’ de Barry Parker, Arquitecto”. (Porto, Conservar para Quê, 2004). - “Memória e Refundação Urbana. Conservar e desenvolver a Cidade. O caso do Porto”. (APHA, Boletim Interactivo 2004, www.apha.pt/boletim).

Material de Apoio
Folha de Sala Ciclo Obra Aberta - 24 de Outubro de 2009

Imagens:
1. Av. dos Aliados - Plano e projecto, Barry Parker
2. Plano para a área central, Barry Parker (1916)






Novo Mapa!
Mapa Agostinho Ricca


Mapas de Arquitectura

co-edições OASRN

em trânsito
Ciclo de conferências

Pelouro da Cultura

Arquivo
Eventos realizados
Edições
Co-organizações
Apoios Institucionais


Vídeos online
Discursos (Re)visitados - Ciclo de Vídeo







Contactos:
Secção Regional Norte
Rua Álvares Cabral, 144
4050-040 PORTO
TEL. 222 074 251
cultura@oasrn.org